Página inicial

Arte em Circulação

 


março 2014
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise em
arte em circulação:
Arquivos:
As últimas:
 

abril 20, 2007

) (Parte da) Cena Alternativa Contemporânea (nas Artes Visuais Carioca) (, por Rubens Pileggi Sá

) (Parte da) Cena Alternativa Contemporânea (nas Artes Visuais Carioca) (

RUBENS PILEGGI SÁ

Primeiras impressões:

1 - Evento SEX_ARTE nos Hotéis Nicácio e Paris

Ocupando hotéis de alta rotatividade no centro da cidade, em volta da Praça Tiradentes, o SEX_ARTE é um evento que reuniu exposição de quadros e objetos de arte, festas e pintura mural/grafite nas paredes dos quartos e no hall de acesso desses locais onde garotas de programa ganham a (doce?) vida.

cenaalternaitva.jpg

Conduzido pelas batutas de Beto Roma e Raquel Balassiano, o que há de alternativo, de fato, é o lugar e as pessoas que freqüentam os quartos do hotel. Já a arte exposta (e o discurso sobre ela e sobre o evento) parece mirar mais para o outro lado da praça. Ou seja: Centro Hélio Oiticica e Galeria Gentil Carioca (vizinhos dos hotéis). Inclusive um dos artistas está expondo em uma coletiva no Paço Imperial, com um trabalho que corteja, ao mesmo tempo, a gravura, a ilustração e a pintura.

2 - Espaço CAPACETE

Aproveitando a presença de artistas-residentes no espaço Capacete, em Santa Tereza, três artistas - Ricardo Basbaum (Brasil), Dominique Gonzalez-Foerster (França) e Kristofer Paetau (Finlândia) - apresentaram seus trabalhos, conceitos e poéticas, projetando imagens em um telão, no quintal, para uma platéia de amigos que lotou a casa.

cena_basbaum.jpg
Ricardo Basbaum - NBP

Basbaum mostrou seu projeto NBP, um "work in progress" que vem se desenvolvendo há anos, mas que agora, por conta do convite da Documenta de Kassel, ganhou reforços. Basicamente foi mostrado o site onde as interações estão sendo feitas e alguns relatos de experiência.

Basbaum preparou vinte objetos que são distribuídos para as pessoas a partir de uma pergunta, que é: "você gostaria de participar de uma experiência artística?" e a partir daí, se a pessoa topar, ela leva o objeto metalizado e pintado com ela e faz dele o que bem entender. E depois passa ele para frente, de novo.

Só para constar, vai aí o site do NBP e uma crítica de Victor Rosa (vale ler os comentários) - sobre um incidente que aconteceu em Santa Catarina - também, para quem quiser entender melhor o projeto e ver o objeto:

www.terreno.baldio.nom.br/basbaum/portal_nbp.htm

www.netprocesso.art.br/oktiva.net/1321/nota/32121

Dominique apresentou trabalhos que dialogam/se opõem à arquitetura modernista.

E, por último, se apresentou Kristofer, que trabalha geralmente criando vídeos ou documentando suas performances, que são, na maioria, irônicas, debochadas e escatológicas, de forte conteúdo crítico.

cenaalternaitva_kris.jpg
Performance de Kristofer Paetau

Paródias como a do quadro Almoço na Relva, de Manet, onde atores pornôs contracenam tentando falar frases em francês, que desconhecem, enquanto praticam sexo e lancham, tornam a situação bastante bizarra. Os trabalhos podem ser vistos, também em www.brodypaetau.com

3 - Espaço CAPACETE

O próprio Espaço Capacete, que não é só um lugar, mas uma idéia em circulação que se faz presente em várias ações, também não deixa de ser um «espaço alternativo». Melhor, talvez, a palavra Independente... é complicado definir essas coisas. Não pela sua fisicalidade ou pelos meios os quais o projeto Capacete vem se desenvolvendo, mas como proposta ética e estética de seu autor, o artista Helmut Batista.

Ao criar condições para que outros artistas mostrem e circulem com seus trabalhos, oferecendo residências e possibilidades de trocas e informações entre artistas de origens diferentes, Helmut também faz dessa atitude uma forma de poética pessoal bastante contemporânea.

4 - Mostra e resultado de worshop dos artistas franceses Sebastién Perroud e Xavier Quérel com alunos de artes da UFRJ e de cinema da UFF, no Parque das Ruínas, em 31 de março

Precedido por vários dias de oficinas e montagem dos trabalhos, os trabalhos apresentados no Parque das Ruínas foram ofuscados pela quantidade de pessoas que apareceram na inauguração da mostra e muitas não puderam apreciar as sutilezas da fenda na parede nua de tijolos "costurada" de maneira sutil e delicada como se fosse coisa de aranha, coisa de menina, como se fosse o que de fato era: metáfora e matéria, tentativa e conclusão de um pensamento plástico resolvido em termos de superfície e suporte.

Outros trabalhos interessantes eram as gaivotas projetadas em filme 16mm no pedaço de teto da ruína, o fio metálico que ficava incandescente quando alguém passava pelo sensor de presença, mas que não funcionou direito no dia. E os ruídos produzidos pela parafernália low tech pilotada no térreo da construção, como escultura sonora.

Independente, mesmo, no caso, é o projeto dos franceses, produzido pela mulher de Perrout, e que percorre outros lugares além do Brasil, patrocinado por várias instituições e amarrado de modo a viajarem pelo mundo, propondo esse tipo de coisas...

5 - Mostra de vídeos e música alternativa na Lapa, organizado pelo Fernando de la Roque e pela Érika Fraenkel

Só peguei a última música da noite. Mas era a Érika e o de la Roque. E eles são demais! E são alternativos e independentes, também. O que não quer dizer nada, afinal, a não ser que a experimentação é mais plausível nesses casos. E isso pode querer dizer tudo. Pois a premissa da experimentação é a liberdade...

Posted by Rubens Pileggi Sá at 5:56 PM | Comentários (2)

abril 7, 2007

Valência olha para o "sul", por Juliana Monachesi

Alberto Baraya.jpg

Valência olha para o "sul"

JULIANA MONACHESI

Estive em Valência, na semana passada, como jornalista convidada da organização da mostra Encuentro entre dos mares, para fazer uma cobertura do evento para a Folha de S.Paulo. A reportagem saiu nesta terça na Ilustrada, mas uma bienal é sempre um mundo de novas informações, impossível de abarcar em um único texto (ou mesmo em vários; muito da última Bienal de São Paulo eu continuo digerindo até hoje, mas o tempo do jornalismo cultural não é o mesmo da "digestão cultural", digamos assim, e muito material - apuração e/ou reflexão - acaba engavetado). Gostaria de relatar com mais detalhe aqui no arteemcirculação a experiência da bienal espanhola que, neste ano, decidiu recomeçar do zero (a Bienal de Valência chegaria à quarta edição agora em 2007) e dar um novo enfoque ao evento: uma "mirada" ao "sul". Deste ano em diante, Valência vai sediar bienalmente uma exposição de arte iberoamericana, com o objetivo de promover um maior diálogo entre a Península e a América Latina. O nome da mostra, que teve sua primeira edição inaugurada no dia 28 de março, é Encontro entre dois mares - Bienal de São Paulo - Valencia.

Um primeiro aspecto positivo da empreitada valenciana, me parece, é a idéia de "especialização" da Bienal. Há tantas e tão semelhantes bienais pelo mundo, que a decisão de ter como ponto de partida um recorte mais específico (e não menos complexo) para um evento internacional de arte que ocorre a cada dois anos, o da "arte iberoamericana", seja lá o que isso venha a ser, é muito instigante. E, ao firmar uma parceria com a Fundação Bienal de São Paulo (o que justifica o subtítulo da mostra) para que haja sempre um desdobramento da exposição paulistana no ano seguinte em Valência, o evento se reveste de mais legitimidade. "A Bienal de São Paulo, com seu histórico e tradição, sempre significou para o cenário das artes uma 'luz ao sul', daí termos decidido que um projeto dedicado à criação iberoamericana necessariamente deveria tratar dela ou, idealmente, agregar a própria Bienal de São Paulo", explica o idealizador do Encuentro entre dos mares, Amador Griñó.

[Neste ponto do texto você pode estar pensando: hmm... mas quanto desse discurso todo não é puro marketing?; o que a Bienal de São Paulo ganha com isso?; qual a natureza desse convênio firmado com a Fundação Bienal?; por que agora, na quarta edição da Bienal de Valência, esse súbito interesse pelo Brasil e demais países latinoamericanos?; e qual a pertinência de se falar em arte "iberoamericana", um termo tão carregado de um sentido de "relação colonial"?; a partir de qual ponto de vista essa produção está sendo olhada? hmm... não sei, não. Todas essas perguntas também me cruzaram a cabeça antes de ver a Bienal, durante o tempo que estive lá trabalhando, e desde que voltei. É um pouco sobre isso tudo que eu queria refletir aqui e daí a importância desse relato mais detalhado que eu estou me propondo a fazer.]

Alberto Baraya 2.jpg

"Frente al eurocentrismo de la Bienal de Venecia, la Bienal de São Paulo está abierta a todos los países y tiene un carácter alternativo, más allá de los marcos del circuito europeo y norteamericano. Desde su fundación, esta Bienal ha ofrecido una atención especial a países que nunca habían podido participar en las bienales europeas, configurándose como una muestra mucho más elástica y abierta al multiculturalismo. Uno de los aspectos fundamentales de la Bienal de São Paulo ha sido señalar a lo largo de los últimos 50 años y, de manera casi premonitoria, las tendencias, muchas veces sorprendentes, del arte iberoamericano. La influencia de la Bienal de São Paulo, cuya proyección es incuestionable, ha hecho posible, con la participación de artistas de todos los países iberoamericanos, diseñar un nuevo mapa colectivo imaginario del continente. La muestra que la Fundação Bienal de São Paulo presentará en Valencia, titulada 'Luz em el Sur', nace del deseo de investigar a través de caminos transversales las complejas relaciones existentes entre la Península Ibérica e Iberoamérica. La exposición reúne de esta manera algunas de las mayores expresiones artísticas lanzadas por la Bienal de São Paulo en los últimos 15 años, o de artistas que bajo el impulso de la Institución Bienal Sao Paulo lograron éxito y reconocimiento", esclarece um texto no site do evento.

São cinco as mostras distribuídas pela cidade de Valência que perfazem este primeiro Encuentro entre dos mares. Uma delas, com curadoria de Agnaldo Farias e Jacopo Crivelli Visconti, é toda dedicada à Bienal de São Paulo. Localizada no Centro del Carmen, edifício construído no século 13 para abrigar um convento carmelita, com claustros gótico (século 15) e renascentista (século 16), Luz ao sul toma o título emprestado da obra de Carmela Gross, um grande luminoso com a palavra "sul" (que pode ser lida como um "palíndromo imperfeito"). A instalação, que foi originalmente construída para uma mostra em São Paulo no final do ano passado, foi montada em uma versão de escala reduzida em Valência, e revestiu-se de outros sentidos uma vez transportada para dentro deste edifício, mais precisamente, para um dos corredores de seu claustro gótico.

Carmela Gross.jpg

Carmela Gross 2.jpg

Se no Brasil a obra - exposta na horizontal, pendendo do teto do Instituto Tomie Ohtake, com a fiação e as lâmpadas fluorescentes chegando até o chão - já tinha um caráter insubordinado em relação às determinações cartográficas, na Espanha, apresentada na vertical, ereta e desafiadora (porque mais hermética, "estrangeira"), a instalação luminosa de Carmela Gross completa seu sentido, nomeando "sul" um outro lugar, mais "central" segundo as convenções da cartografia convencional. Além disso, é esta a obra que recebe o visitante da exposição, logo depois de um vídeo de Cao Guimarães instalado logo na entrada. Quem entra no Centro del Carmen e percorre o trajeto de um claustro a outro (no renascentista está exposta a árvore de látex do artista colombiano Alberto Baraya, curiosamente também na vertical, ao contrário da forma como foi exibida na última Bienal de São Paulo) vai meio hipnotizado e intrigado por aquela enorme escultura feita de luz, que inscreve a dúvida sobre o lugar de cada um, sobre identidade e pertencimento, já na largada.

(continua...)

Posted by Juliana Monachesi at 12:33 AM