Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2014
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise em
arte em circulação:
Arquivos:
As últimas:
 

setembro 22, 2006

Um jogo de (anti) ilusões, por Rubens Pileggi Sá

24 um jogo de 14 07.jpg

Foto de Marcel Duchamp (1887-1968) como Rrose Sélavy

Um jogo de (anti) ilusões

RUBENS PILEGGI SÁ

Durante uma partida de xadrex:

- Eu te digo isso: a arte é um travesti fazendo ponto em uma esquina suspeita no coração da noite triste. Seu nome é Mona. Mona Lisa. Ela te engana com seu sorriso enigmático, fingindo ser o que não é. Você sabe disso, mas se deixa levar pelo engano porque quer ser iludido. Precisa dessa ilusão. Mais, essa ilusão é a única realidade possível que você pode capturar. Ou pensa que pode. Porque, de fato, Mona Lisa não é de ninguém e ri o riso amarelo de quem tenta decifrá-la. (Movendo sua peça) Sua vez.

- Ora, meu amigo, agora você forçou a jogada. Como é que você pode descrever a arte assim, de maneira tão vulgar? Logo a arte, capaz de elevar nossa espiritualidade, de nos trazer prazer estético, tocar emoções, de nos fazer sentir o belo, de buscar ideais. (Olha o tabuleiro) Onde é que você jogou, mesmo?

- (Apontando com o dedo) Mas essa concepção é platônica, baseada em um mundo que não existe. Vivemos NESTE mundo e não em outro, o qual desejaríamos. E a beleza pode ser vista em tudo. Até no feio. Mas em Duchamp essa questão não vem ao caso. O deslocamento produzido por ele na arte leva em consideração a questão da realidade e da aparência como um jogo. Jogou?

- E você quer dizer o quê com isso? Que uma mentira pode valer por uma verdade?

- Pelo menos para aquela arte que nos fala o filósofo "como única força superior contraposta a toda vontade de negação da vida", "que é mais forte do que o pessimismo, mais 'divina' do que a verdade", sim. Minha vez.

- Vem você citando Nietzsche... (Concentra-se nas peças) Pode jogar.

- Quando Duchamp, em 1919, interfere em uma reprodução da Mona Lisa, ao colocar bigode e escrever as letras L.H.O.O.Q., que, em francês, soa mais ou menos como "ela tem fogo no rabo" - brincando com o fato de que ela seria um homem que teria posado para o da Vinci - não seria exatamente sobre essa "mentira", ou sobre esse engano, que ele estaria falando?

- Aquilo é uma palhaçada. Brincadeira de criança. Onde já se viu, colocar um bigodinho em uma reprodução de arte e isso ser considerado como, sei lá, arte, também. (Olhando para o companheiro) Não vai jogar, não?

- Vou, claro! Mas perceba que o gesto de deslocamento criado foi fundamental para que a arte tivesse algo a dizer, ainda. Ao negar, ele afirma. Ou melhor, ele nega afirmando sobre todos os conceitos que até então se tinha de arte. E depois é bom não se esquecer de que isso ocorre em um contexto de guerra mundial, partindo da experiência do movimento Dadaísta, etc.

- Banal!

- Banal, anti-ideal, anti-ilusório. Há prazer também na destruição criativa. Principalmente quando no lugar da ilusão, aparece outra, travestida de ilusão. Uma Rrose Sélavy, que é, ao mesmo tempo uma ilusão e uma desilusão.

- Aquelas fotos em que ele aparece travestido de mulher? Uma simulação, isso sim. (levantando rápido uma peça do adversário) Ei, presta atenção, perdeu seu bispo!

- Quem é que precisa dessa "máquina celibatária?" (ri) Xeque!

- É a vida! (resigna-se diante do iminente fim da partida).

- Eros c´est la vie! Como poderia se interpretar, também.

- E o que resta, se nem a cópia é original?

- Só o xeque-mate.

- Ok, você venceu! (cai o pano).

Posted by João Domingues at 11:14 AM | Comentários (3)