Página inicial

Arte em Circulação

 


março 2014
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise em
arte em circulação:
Arquivos:
As últimas:
 

fevereiro 18, 2004

Sorria, você está sendo filmado!

01_UERJ.jpg

Exposição na UERJ, 2003.


Sorria, você está sendo filmado!

RUBENS PILEGGI SÁ

O escritor argentino Jorge Luís Borges dizia que um autor escreve sempre o mesmo livro. E isso passou pela minha cabeça ao ver o vídeo É a Questão, de 1987, de Ricardo Basbaum. Nele, o artista repete ad infinitum a imagem de um olho desenhado, colocando-o em múltiplas situações: em filipetas que são entregues nas ruas e nos ônibus, em cartazes espalhados pelo campus da Universidade de Campinas, no meio de cálculos matemáticos, em uma armadilha para formigas, etc. como se naquela imagem/olho que é vista, tivesse uma câmera/olho "vendo" dentro de um sistema de vigilância constante.

O vídeo mostra um Basbaum jovem que, em tudo, lembra o Basbaum de agora: o mesmo sorriso tímido e maroto e as mãos sempre a gesticular, uma em volta da outra, explicando algo de seu trabalho.

Quando me deparei pela primeira vez como o que ele fazia, fiquei extremamente intrigado com sua produção: já havia o NBP, os diagramas "explicativos" nas paredes, o EU-VOCÊ coletivo, os ambientes que são, ao mesmo tempo, espaço de conforto e prisão, onde a relação dentro/fora é sempre levada em consideração. E, também, já tinha aquela marquinha hexagonal do NBP - "uma unidade virótica" - que ele espalhava por várias situações, como na banheirona revestida de ágata para as pessoas ficarem por algum tempo com ela.

02_banherona.jpg

"Você gostaria de participar de uma experiência artística?", trabalho que se desenvolve desde 1994.

E mais, quando, em suas palestras, usava a voz como recurso de um pensamento que busca ocupar lugar o tempo todo. O som entrando como mais uma dimensão da criação. A palestra como motivo para um exercício de arte. Uma composição sonora considerada a partir de um sistema de "transatravessamentos": as ondas de rádio, telefone, as partículas atômicas, a quantidade de luz do ambiente, etc. colocadas em atuação por um pensamento presente, que dá consciência ao que já existe como potencialidade.

Venho tentando acompanhar Basbaum desde 2001. Procurando textos dele e sobre ele, conversando, perguntando, tentando compreender a gênese de seu pensamento, a raiz de sua criação. Fui em 4 ou mais exposição de arte de seus trabalhos, pelo menos, e em todas se repete a mesma estratégia: um sistema de vigilância montado, com câmeras de tv gravando o público, diagramas na parede, explicando (?) a situação dada e a criação de um espaço de convivência.

Foi assim na galeria Artur Fidalgo (RJ), em 2002, como foi assim também que se deu na 25ª Bienal de São Paulo (2002) e na galeria da UERJ, em outubro de 2003: uma exposição feita de imagens que ele grava das outras mostras que fez, com imagens captadas durante a visita das pessoas que vão para a exposição, os diagramas, um lugar para ficar e a marquinha hexagonal, a tal.

03_UERJ.jpg

Exposição na UERJ, 2003: espaço de convivência e vigilância.

Na exposição da UERJ, Basbaum adicionou uma gravação de áudio e coreografias, realizadas a partir de desenhos de vários diagramas, junto com seus alunos, sob sua direção. Basbaum me pergunta o que achei do trabalho. Digo-lhe que não o vi inteiro, quer dizer, não vi as coreografias, que me pareceram sair de um desenho diagramático que propunha apenas uma visão geral, como se fosse uma "planta baixa". Maliciosamente devolvo a pergunta, querendo saber qual era a abertura para as pessoas entrarem, se quisessem, dentro da coreografia, como parte do trabalho. Ele me responde: "- Com as camisetas eu-você?" (camisetas distribuídas para os participantes da performance/coreografia. Algumas com as palavras EU, outras com a palavra VOCÊ).

04_coreografias.jpg

Diagramas das coreografias.

Então, mais uma vez, pergunta dentro da pergunta (aliás, título de um de seus textos) instilo: "- Quer dizer que tudo é parte de um circuito integrado, mas, fechado? Ou seja, tal a moça no rótulo da embalagem, mostrando a embalagem com a foto da moça segurando uma embalagem, etc. etc.? Ou seja: Um jogo de espelhos com pequenas variações a cada remontagem de trabalho?" E ele, muito sensato, muito claro em seus pensamentos, sério e cioso de seu trabalho, responde: "- é...corre esse risco..."

E como uma fórmula matemática resolvida, dou-me por satisfeito. Mas ele volta à carga (sim, forasteiro, esse Basbaum é cheio de munição!): "- Mas meu interesse estava concentrado na reação do público diante do trabalho, na relação das pessoas com aquele espaço de convívio". "- Como assim, Ricardo?". "- As pessoas são livres para fazer o que quiser naquele espaço. Eu ofereço uma área de convívio, mas suas ações também me interessam. Elas sabem que estão sendo gravadas, portanto, a liberdade ali passa por uma consciência de lugar".

Volto a re-pensar o significado de NBP (Novas Bases para a Personalidade) ao refletir sobre esse território oferecido ao convívio: Uma subversão ao Big Brother, um "1984" ao contrário, onde cada um é "jogado"para dentro do trabalho para pensar "o lado de fora" de suas vidas. Seu lugar no mundo como livre arbítrio. "- Interessa-me", diz ele, "essa relação dentro/fora".

Mais uma vez sou presa de sua inteligência poética e camaleônica, de sua capacidade de inventar mapas em escala 1:1, que indicam e sugerem situações geográficas, sociais, culturais, acadêmicas, imaginárias. Como no hall de entrada da Universidade Federal Fluminense, onde ele instalou uma portaria idêntica à portaria, ao lado desta, só que, em vez das informações oficiais, colocou outras, sobre NBP, criando, com essa intervenção, um ruído, devolvendo ao ambiente o mesmo, um simulacro do real, uma virtualidade camuflada, geradora de um certo distúrbio na certeza do passante acostumado com a realidade dada.

Mas, enfim, tudo o que me resta agora é a inquietação dentro desse núcleo virótico, dessa marquinha hexagonal, dentro desse olho/lente que me vigia, ainda que eu tente, novamente, a fuga, ou o roubo da imagem, porque me sei vigiado o tempo inteiro. Mas, de repente, também isso se camufla, e outros personagens surgem dentro dessa cela, onde eu, cleptomaníaco confesso, pego no flagrante, sinto-me preso e confuso entre o que é real e o que parece ser.

05_mapa.jpg

Exposição na UERJ, 2003: Desenho da marca NBP sobre planta baixa da UERJ.

E lá estão comigo outros fora-da-lei, como o compositor Filix Jair ( www.filixjair.blogspot.com), o internauta rirobas (@visualnet.com.br), o professor Basbaum, o camarada Basba, o Ricardo e o artista que resolve inverter a situação, fazendo da parte de dentro a parte de fora, perguntando solenemente, como um cowboy que estivesse em um balão de história em quadrinhos, algo como: "- onde vocês pensam que estão, forasteiros?".

06_ArturFidalgo.jpg

Vista externa da exposição na Galeria Artur Fidalgo, 2002.


Referências bibliográficas:

MOREIRA, Maria - Repersonalização, Enfrentamento e Reversibilidade - Revista Item.5 - Editora Espaço/Capacete, RJ, fevereiro, 2002.
BASBAUM, Ricardo - Migração das palavras para a imagem - Revista Gávea, 13 - Ed. Da Pontifícia Universidade Católica, RJ - setembro, 1995.
______. "(?)? Pergunta dentro da pergunta". Arte & Ensaios, Revista do programa de pós-graduação em Artes Visuais EBA-UFRJ, RJ, nº 7. 2000
______.Dentro d'água - Catálogo da exposição de Arthur Barrio para o Museu de Serralves, Portugal, outubro de 2000

INTERNET:
Pesquisa em www.google.com.br:

www.hkw.de/forum/forum1/doc/arc/0059.html
www.ekac.org/basbentr.html
www.obraprima.net/materias/html601/html601.html

Posted by Rubens Pileggi Sá at 7:38 AM | Comentários (2)