Página inicial

Arte em Circulação

 


dezembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

dezembro 16, 2020

Arte em Campo, despedida do Pacaembu. Observações atravessadas por Lucas Bambozzi

Arte em Campo, despedida do Pacaembu.

Observações atravessadas
[texto escrito para mídias sociais, tipicamente apressado, com linguagem misturada, podendo conter argumentos ainda em estágio de desenvolvimento - adaptado parcialmente para o Canal Contemporâneo]

por Lucas Bambozzi

Então eu fui nessa exposição (em cartaz até 17/12) que em tudo parece "pelegagem", mais um evento que usa arte e artistas pra “passar pano” na lógica “privativista” que rege essa cidade e o país que tem o “neoliberalismo como cartilha”.

Tá bom, mal começou o texto e já estou antecipando termos “entre aspas”, que fazem alguns torcerem o nariz e nem querer continuar lendo. Talvez seja esquerdopatia da minha parte (sic).

Volto à arte então. Tem obras incríveis, todos xs artistas ali são muito incríveis. Admiro todxs xs que vi, de verdade. Da mesma forma como também tinham artistas incríveis que muito admiro naquela mostra no Hospital Matarazzo (2014), viés e empreendimento por onde a história se repete, sim pela lógica da especulação, pela face da empresa desta cidade.

Rafael Rg, Esqueça o Futuro, 2017.jpg

"Esqueça o Futuro" (2017) de Rafael Rg, enquadrando as bandeiras do Brasil e da prefeitura de SP.

Então, me chamou atenção o trabalho do Rafael Rg, por exemplo, um poste com uma placa de sinalização, dessas oficiosas em verde e branco, onde se lê “Esqueça o Futuro”, essa frase é uma forma interessante de se entender a exposição no Complexo do Estádio do Pacaembu como um todo. Instalado estrategicamente de costas para a entrada, sai melhor na foto justamente porque sugere o enquadre da bandeira do Brasil, no alto do estádio. Dependendo do ângulo, aparece também a bandeira da cidade de São Paulo. Ambas simbolizam uma disputa acirrada como ameaça ao futuro que desejamos para a cidade e para o país - em termos de coletividade, de bem comum.

PauloNazareth_Pacaembu.jpg

"O Azar é Seu", diz a obra, de 2018, de Paulo Nazareth

A presença de Paulo Nazareth é marcante, não só pela contundência como por ser o único artista com 3 obras distintas na mostra. A icônica bola de futebol cravada por uma faca (que figura em vídeo, como escultura singular e como instalação) é uma das mais interessantes críticas à morte-matada do futebol como manifestação popular e espontânea. O “negócio” do futebol mata a bola como jogo, mas não é só isso que está sendo dito, claro. Diante do painel "O azar é seu", o público oscila em fazer selfies. Talvez por ser frase ríspida demais pra ser compartilhada, por não ensejar uma mensagem mais “joinha”. Deve ser boa a disputa interna de cada umx, mesmo que inconsciente, tentado que fica o pública pela estética retrô, com lâmpadas grandes, que remete a uma estética típica de um parque de diversão ou circo. Típica dessas coisas que o capitalismo moderniza e faz desaparecer e depois nos inventa formas de pagar a viagem retrô pelo viés da nostalgia. Mas acho mesmo que o azar é nosso, é um azar coletivo, de todes nós. Menos delEs, os super ricos (aqui abro mão da linguagem neutra, pois “ser um super-rico”, parece ser, quase sempre, uma obsessão, uma tara masculina, por cifras e poder).

Erica Ferrari e Deyson Gilbert, Condutor, 2020.jpg

Condutor, 2020, de Erica Ferrari e Deyson Gilbert

Tem ainda uma escultura belíssima do José Spaniol, que se eleva no meio da quadra de tênis equilibrando mesas retrô (Ao léu, 2013). Tem os ótimos cupins do Laerte Ramos, que se espalham pelo campo já loteado (literalmente), enfatizando o descaso com a coisa pública (Baixa Temporada, 2013). As bandeiras corroídas da Erica Ferrari com o Deyson Gilbert, enclausuradas em um espaço apertado, numa sala antes destinada à Polícia Militar, chamada Quarto do Choque) é talvez o trabalho que mais foi pensado em função do espaço, como uma obra “site-specific”. A obra chama-se “Condutor” em analogia à frase "Não sou conduzido, conduzo" do latim, "Non Ducor Duco", presente na bandeira da Cidade de São Paulo. Drapejando seus farrapos aos ventos do ventilador e ao som de torcidas e protestos, também enfatiza a ideia de que deixar o bem comum à míngua é a estratégia mais nítida nas justificativas que dizem, “ah, mas estava tudo tão decadente”. Um potente painel luminoso, em letras vermelhas da Carmela Gross continua ainda hoje me solicitando a chave de um enigma entre palavras como “Jogadores”, “Gatunos”, “Ladrões” “Herdeiros”, “Degenerados”, “Arrivistas” que apesar de ser uma obra de 2016 (Figurantes), as palavras se re-tensionam, ganham novos significados e não deixam de remeter ao poder que nos governa hoje.

Carmela Gross, Figurantes, 2016.jpg

"Figurantes" (2016), painel luminoso de Carmela Gross.

Mas então, em meio às obras, o que mais me chamou a atenção, não foram exatamente as obras citadas ou outras tantas que poderia examinar mais de perto. Mas se sobressai, acima de tudo, o complexo do Pacaembu em si. Já o conhecia bem, já frequentei muito a piscina, já levei a filhota pra andar de skate e bicicleta, comia pastel de feira nas quintas e sábados, já fui até em partida de futebol. Ali, no vazio entre as obras, se destaca afinal algo que importa muito: a coisa pública, o orgulho de que aquilo atende a anseios e necessidades comuns. A coisa pública “crua”, com a pintura desgastada, em tons desbotados, em mobiliário esmaecido (talvez decadente aos olhos de uns) mas que exerce um fascínio que no geral ganha da arte em interesse, em estética e também em experiência real na visita à exposição. Pois a exposição, desconfiamos, serve a outros fins que não a coisa pública.

Wagner Malta Tavares, Banhistas, 2020.jpg

Piscina vazia, com algumas poças d'água, provavelmente como resquício de chuva. As telas compõem a obra "Banhistas" de Wagner Malta Tavares.

A obsessão por "modernidade", por privatização, por se desfazer da coisa pública equivale à tara de certa classe em colocar porcelanato em tudo, equivale à ânsia em esconder o esmaecido, em louvar apenas aquilo que reluz como ouro, equivale à lógica em “reformar” o bem comum como oportunidade de "negócios".

Eu não faço mais parte de muito disso. É um pequeno alívio. Não estou em galerias desde que o negócio das feiras tomou de forma mais voraz o circuito da arte e me vi mais útil em outras vertentes, menos negociais, dialogando com outros públicos e interesses.

Faço parte por exemplo de um grupo em que estamos conduzindo uma experiência de galeria que opera de forma enviesada, a ReOcupa ligada à Ocupação 9 de Julho, em SP. Teria sido oportuno fazer alguma ação junto ao evento? Sim, mas de fora, com alguma ação como o Carro do Ovo, a qual foi aventada, mas não de forma conivente. Lançaríamos perguntas como essas que se faz aqui, nesse texto.

Há muita especulação sobre como a concessão do Pacaembu vai operar pelos próximos 35 anos (o contrato se encerra em 2055). Nem toda informação diz que a coisa pública vai acabar, talvez seja exagero falar em “despedida”. Mas nas mídias mais bem estabelecidas, a crítica que se viu, coloca foco também no novo que vem em socorro ao velho (O Velho Pacaembu se despede com arte, no Estadão, 08/12/2020). E não na importância de que o que é público se mantenha como público ou na análise crítica de obras que criticam o que se passa na privatização, nas relações negociais ou nas condições que os artistas têm hoje de continuarem a fazer arte com dignidade.

Pois sim, a coisa pública, a coisa coletiva, essa me nos importa cada vez mais.

Epílogo (comentários a questões surgidas por ocasião desta publicação no Instagram e Facebook)

@jp_accacio me pergunta se eu aceitaria participar se fosse convidado.
Comento que só participam artistas através de galerias. Entendi que esse é o jogo. Não fui convidado, mas só me convidariam se fosse através de uma galeria. Mas se seu eu estivesse junto a uma galeria tipicamente comercial talvez estivesse em outra relação com o mercado. Ou seja, eu estaria talvez, nessa outra “existência”, contexto e momento, mais dentro do jogo, lidando com suas regras, suas conivências, suas “pelegagens” (vale resgatar esse termo). Então seria um conflito diferente. Mas pela admiração aos trabalhos que descrevi, talvez estivesse nessa vibração: a de evidenciar as contradições do mecanismo, com a maior contundência possível, dentro e além do simbólico. A pergunta: “se te convidassem vc participaria” sugere um viés de ressentimento. Como se eu estivesse escrevendo isso aqui por não estar participando. E se o convite tivesse vindo no contexto atual em que me encontro, eu provavelmente não participaria.

Acho que nossa condição de artista-etc, a de se lançar em outros práticas correlatas ligadas à arte, o que nos garante subsistência e nos conclama a um certo distanciamento dos sistemas mais comprometidos com o sistema da arte, de avaliação constante do que nos rodeia, nos faz acreditar que o exercício da crítica é fundamental. Mas é nítido como busca-se desqualificar quem critica (como a insinuação de ressentimento, por exemplo). Muitos de nós já estivemos dentro, a gente sabe como a crítica de arte na imprensa já vem encomendada pela galeria. Já vem como inserção de valor simbólico no próprio mercado. Ou seja, não há crítica, só há tapinha nas costas, alisamentos negociais. E muita hipocrisia.

@edithderdyk comenta que Flávio Império, na década 70, num encontro no Lasar Segall disse que os artistas eram “os passarinhos da sociedade”.

Sim acho lindo isso de artistas serem passarinhos. E às vezes precisam atuar em bando, pra se proteger ou pra irem mais longe, juntos. E tem as revoadas que produzem formações coletivas, maravilhosas.

@mairavazvalente comenta sobre uma suposta normalização das atrocidades. @renatocustodio comenta: “Tá tudo muito confuso, ou muito claro. A arte em campo passando um estádio público pra iniciativa privada”.

Sim, me preocupa que de tanto falarmos já não se escute. E tenho convicção que há que se desmascarar a lógica da privatização. Ela se entranhou como solução simplista justamente diante da aparência esmaecida que a coisa pública adquiriu. Jogar pedra na coisa pública virou esporte preferido das classes mais exploradas. Pois difundiram a ideia de que a privatização garantiria os serviços de qualidade que essa classe não tem acesso. Há uma campanha há décadas sustentando isso, a de que toda solução aos problemas, toda modernidade e todo progresso, vem da privatização. No que acreditamos? Eu acredito que não queremos todo o progresso que certo mundo nos impõe. O estado das coisas na política está em torno disso, a especulação, a reforma da previdência, a privatização dos ginásios, do sistema de saúde, da educação. O custo do agronegócio igualando os alimentos a veneno. O custo de certos minérios e o fim de todo um ecossistema. O custo da saúde privada pelo sucateamento do SUS. Sim, e a arte, o que ela tem a ver com isso? Os artistas não precisam endossar lógicas coloniais, modos de extrativismo, modelos de produção de precariedade, precisam?

O que tenho certeza é de que nos tornamos guardiões das escolhas, desmandos e atrocidades dos que elegemos como nossos representantes. E para realizar seus interesses pessoais, supõem nosso cansaço, nosso esmorecimento, e muitas vezes, é por aí que o capital vence, por onde passa a boiada, por onde a vida escoa.

Postagens de Lucas Bambozzi no Facebook e Instagram.

Posted by Patricia Canetti at 7:54 PM