Página inicial

Arte em Circulação

 


maio 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 5, 2019

Uma sorte de memórias por Keyna Eleison

Uma sorte de memórias

Contemplem!
Vejam como a arte pode ser, toquem, sintam, entrem, se deixem penetrar por ela,
venham sozinhas, venham para receber, venham...
Venham até que contemplar não seja o suficiente, então... Façam.


Não podemos esquecer que fomos ensinados a esquecer. Este é o ponto. Ponto final
que foi colocado. Um esquecimento necessário para o aprendizado, para dar lugar
ao certo e ao errado.
Aprendemos e apreendemos por repetição para chegar ao conhecimento. O saber
vem do exercício, muitas vezes (senão todas as vezes) por conduções do que é o
certo a ser feito. A forma certa a ser assimilada. A forma certa. A forma. A.

E assim ficamos compartimentados a locais e comportamentos corretos e de
contornos que possam fazer sentido, a educação e a sociabilidade colocam para baixo do
tapete o que é sujo. O que é visto como desagradável é um juízo de valor para
determinar como ser e como fazer, e assim também o que ser e o que fazer.

Essa coisa.
Esse laço.
Esse aço.
Esse traço.
Esse troço.
Essa suruba.
Essa louça.
Essa vida.
Essa coisa.
Essa moça. Esse moço.
Essa verdade essa mentira verdade mentira verdade mentira.
Tira, tira.
Tira daqui.
Me tira.
Tira?

Retira tudo, tudo mesmo... Menos o que seja revolução.

Os trabalhos do OPAVIVARÁ nos colocam em posição de atividade. A fruição é ativa.
Mais do que uma ativação do objeto, mais do que a ativação do corpo, mais do que a
ativação público-obra. É uma atividade da memória original do todo.
São chamamentos públicos de intimidade, como uma carta de visita para uma pélvis
coletiva, uma pulsação de seivas, pelos pubianos, gemidos e ritmos que arrebatam
com o beneplácito de cada um e de todas que por aqui passarem.

Sem medo do fogo no cu, esse fogo que nos faz mexer, para onde partimos, de onde
pode vir o reconhecimento da revolução. Uma ode ao cu e à sua potência, potência
sua de ser boca, de início e de fim; de ser método, de não precisar ser dicotômica,
palavra e coisa, objeto e fábrica, entrada e saída. Simples em cada prega dilatada,
complexa em cada processo. O cu ela mesma um processo. O cu essa memória
remoída, assimilante, sem dentes, pronta e comum.

Esta memória original do todo que nos coloca como corpo latente, pronto para o
riso, para o gozo e para o uso, uso de tudo e do todo. São memórias, uma
quantidade de memórias que vai se acumulando, que desencadeiam mais
memórias, que abrem mais memórias e são tantas que de tantas podem ser ela Toda,
Toda.

Deixa a troca, a comida, a justa, a certa, a risada, a gozada, a largada, a grandeza, a
lambida, a era, a gritaria, a rua, a suavidade, a intensidade, a fragrância, a bebida, a
catinga, a hora, a música, a cloaca, a olhada, a carne; que estas ficam para contar.
Contar da intimidade do espaço-tempo.
A intimidade é um grito, ela não chega aos poucos, é arrebatação que arromba sem
pedir licença, balança. É a casa e o miasma.
É o álcool no culto, é o sexo no trabalho. E é uma história.

Esta exposição resgata esta memória de que somos corpo, suamos, fedemos,
comemos, fudemos, que temos e que somos possuídos de potência e troca.

E é para a potência do que é o corpo que peço um brinde.
Para comemorar os fluidos.
Para perceber a indução, e é nessa percepção que habita as obras da OPAVIVARÁ,
como um canto de guerra, que nos alerta.

Aqui o ponto final é percebido e retirado, engolido, deglutido, consumido e
esquecido, este sim.
Um convite, estejam prontos para lembrar.

Keyna Eleison
Abril/2019

Opavivará! - Pornorama, A Gentil Carioca, Rio de Janeiro, RJ - 29/04/2019 a 06/06/2019

Posted by Patricia Canetti at 4:30 PM