Página inicial

Arte em Circulação

 


abril 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

abril 9, 2019

No meio-fio visual por Adolfo Montejo Navas

No meio-fio visual

ADOLFO MONTEJO NAVAS

Naquele meio-fio visual que sulca pelos caminhos ainda tensionados ou em articulação entre cultura pictórica, iconografia comercial, universos kitsch ou pop de consumo e imaginário contemporâneo, encontra-se esta fábula artística de Marcelo Cipis, cujas raízes se fincam também entre um passado cada vez menos recente (com uma melancolia moderna estranhada, cotidiana, em curso, até denotada no uso de cores rebaixadas, leves) e uma sensação onipresente de estar assistindo a uma latente dramaturgia de situações e fenomenologias, de nosso dia a dia já erodido de ideologias maximalistas, pós-histórico, líquido. Talvez porque cada vez mais faça parte da arte viva das entre-imagens reviver o moto-contínuo de que as aparências enganam. Daí por que, mais que nunca, o lugar obrigatório e crítico da pintura na globalização visual seja tão problemático quanto inquietante.

Sobretudo para obras que falam com uma sintaxe estética paradoxal (composições, figurações, cromáticas), que parecem procurar uma inocência, uma recuperação de certo elã vital das coisas, mas que fazem respirar uma suspeita instalada mais embaixo, a de que esta imagética é distópica e utópica ao mesmo tempo! (Não em vão, “A utopia é aqui”, de 2019, por exemplo, repotencializa pinoquiamente um nariz ampliado, que pode ter alguma alegoria política próxima.) Sempre naquela dialética macro/micro que habitamos, conseguindo assim ter uma dupla militância. Ou outro meio-fio: seja contemplado por meio de pequenas telas-alfabeto – que ensinam a renomear, a assegurar uma abstração com a mão – ou então um sabão que parece lingote ou camisas como produtos corporativos da ficcional firma industrial Cipis Transworld, ou ainda pinturas ou peças icônicas cuja formulação irônica, humorística – “Mulher Legér” (2016) ou “Jeff Koons suprematista” (2010) – rebaixa qualquer pompa estética a mais (seja institucional, mercadológica ou simplesmente coisificadora).

De fato, o ar da globalização pesa tanto quanto o da micropolítica, assim como o peso das vanguardas históricas (suprematismo russo, futurismo italiano, surrealismo), projetado em ecos sintéticos, metabolizados, convive com um pathos da subjetividade que quer estar em suspenso, quando não próximo ao entretenimento, à magia, ao sem peso, ainda rodeado de crise. O traço leve, perfilado, o esquematismo ascético e sensual de sua figuração chegam a ser neoprimitivos (do século XXI), e as cores tênues, mas vivas, voltam a enganar em sua aparência de alegria, quase procurando um estágio neutro possível, uma neutralidade estética quase quimera... Veja-se a aguda diferença entre uma risada e um boi, dois austeros títulos de pequenas telas recentes (2018), que exigem uma participação metapictórica, pelos referentes que gravitam (Delaunay, Arp, anúncios...), num empenho perceptivo oblíquo como é a ironia, como, aliás, acontece com Victor Arruda, artista com quem Marcelo Cipis tem algumas surpreendentes sintonias (configurações humanas recortadas, espacialidades suspensas ou certo background picabiano).

Contudo, a obra de Marcelo Cipis transita despretensiosa, aliada à sua sofisticação. Os seus signos, escritura-desenho-pintura-objetos, prometem uma transversalidade além dos gêneros paralelos com os que convive (ilustração, comic, propaganda, publicidade, design...); na verdade, sua poética funciona como uma convocatória poética, de nuances e sutilezas, formas de enxergar através do muro da realidade quando ele é mais opaco. E, por isso, a conquistada sensação de leveza, a sua respiração quase transparente. Outro contraste é que a superfície de suas telas é muito explícita, não joga com perspectiva, tridimensionalidade dentro dela, e sim fora, com quadros-fractais que se constelam de forma fragmentária, ou obras (em suportes diversos) que escamoteiam o todo como solução, sempre ingênua (retratos arquitetônicos exibidos em sua parcialidade compositiva, em flashback crítico – veja-se a série “Sala de estar moderna e abstrato moderno”, de 2018). E nesse jogo das formas e dos imaginários combinados, de escritura pictórica tão enfaticamente visual em sua cultura, nós, seus contemporâneos, saímos ganhando.

Adolfo Montejo Navas
março de 2019


Marcelo Cipis - DeaRio, Anita Schwartz Galeria de Arte, Rio de Janeiro, RJ - 15/04/2019 a 15/06/2019

Posted by Patricia Canetti at 3:54 PM