Página inicial

Arte em Circulação

 


março 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 16, 2019

Sobre o que é visceral por Felipe Scovino

Sobre o que é visceral

FELIPE SCOVINO

Daniela Antonelli - Las equivocaciones se págan, Mul.ti.plo Espaço Arte, Rio de Janeiro, RJ - 23/01/2019 a 16/03/2019

A primeira situação que me chama a atenção nos desenhos de Daniela Antonelli é a sua capacidade de criar uma espécie de filme ou sequência narrativa: o desenho cria uma nova relação com o mundo à medida que ele se apresenta sequencialmente ou de forma coletiva. Lado a lado, os desenhos criam uma história que se amarra conceitualmente em virtude de que personagens, símbolos e ações se repetem e, mais do que isso, se complementam. Claro que o desenho, em qualquer circunstância, possui autonomia. E aqui não seria diferente. De todo o modo, suspeito que essa relação inconsciente (já que não foi planejada pela artista) com o cinema ou com o encadeamento de ações não pode ser deixada de lado.

É importante que o espectador compreenda que toda a obra de Antonelli – sejam objetos, desenhos ou pinturas – se faz por meio de um sistema coerente e circular. Em seus desenhos, por exemplo, invariavelmente vemos surgir ao menos uma figura feminina, masculina ou mesmo andrógina envolvida em circunstâncias que contemplam o confronto ou a dialética entre vida e morte, assim como temas que variam entre separação, dúvidas existenciais, amor, solidão, entre outros. O uso de um nanquim aquoso sugere uma visceralidade nesses desenhos. São paisagens translúcidas que deixam à mostra as várias sobreposições de camadas e histórias contidas nas obras, sem adicionar qualquer peso a essa visualidade. São desenhos da ordem da água; fluem pelo papel de forma leve e espontânea. Mas, atenção: não há um excesso de lirismo que desemboque em ver o mundo como algo perfeito ou incondicionalmente preso ao amor pueril. Há uma visão madura e sensata sobre o que é o mundo, com seus medos, dores, alegrias, desilusões e contrastes.

Por trás dessa sensibilidade, há tragédia. São personagens em camas, aparentando um estado de convalescimento; alguém à deriva em seu barco; o muro isolando a casa; o casal que não se entreolha e permanece de costas um para o outro; novamente a casa, agora desabitada e distante; o personagem caindo como num fosso sem fundo, entre outras situações que configuram um estado de dor ou sofrimento. Penso ser exatamente esse um ponto importante em seu trabalho: o modo como Antonelli nos oferece histórias sob um estado dialético ou de contradição. Aparentemente o seu traço indica uma construção lírica, substanciada pelo estado onírico, com uma leveza e dinamismo da linha. Contudo, o que se torna aparente nessas construções é o desejo obscuro e original de revelar essa potência do trágico. Este não fixar-se em uma solução para convertê-la em sucessivas histórias que ganham um ritmo muito próprio converte-se em um saber-passar permanente de uma solução a outra, exercício que impede qualquer estagnação na artista.

É importante assinalar esse estado dinâmico da linha em sua obra. Nela não há centro. Suas linhas aparecem com uma liberdade de destinação que convida nosso olhar a percorrer toda a superfície da tela ou do papel, identificando essa narrativa que se compõe por quebras. Quebras que também podem criar uma analogia entre sua obra e um livro – os desenhos sendo entendidos como páginas, até por conta do tamanho deles, como numa história contínua e, mais, sem um começo ou fim razoavelmente identificado. Daí novamente a relação com o cinema. Sua obra lança-se contra qualquer hierarquização de elementos. Parece que cada nova solução ou pequeno conjunto de imagens conduz à solução seguinte, constituindo uma trama. Um embate contra o estático: assegurada sua vitória, fica a maneira como se entrega às possibilidades de um ritmo livre de qualquer limitação.

Gosto de pensar numa frase de João Cabral de Melo Neto sobre Miró para refletir sobre a obra de Daniela: “É contra o conceito limitado de compor (compor como equilibrar) que Miró empreende então sua luta obscura” . A sensação de falta de peso da linha de Antonelli é proposital, não só pelo caráter de fluidez da forma, que faz com que sejam criados esses territórios que se emaranham e que constituem a trama da obra, mas também por essa escolha que cria a sensação de que tudo se esvai, cai, parte, afasta, desfaz e, simultaneamente, une, agrega, confunde e compartilha. É nesse limite, novamente, que a composição se realiza: na percepção e identificação das coisas do mundo, pois estão lá presentes sua destituição e sua coesão. Compor, para a artista, significa balancear essas duas visões ou práticas do mundo. Portanto, isso não significa que Antonelli tenha abandonado completamente a preocupação de equilibrar. “É o equilíbrio que preside à construção de cada um desses quadros inscritos num quadro, cada um por si uma pequena estrutura clássica”.

O corpo é um arquétipo presente nos desenhos e em sua obra como um todo, por meio da presença constante – metafórica ou não – de carne e vísceras. Se, em seus objetos, o corpo e a carne são símbolos presentes, em seus desenhos e pinturas, as vísceras parecem ser um elemento recorrente. Uso a palavra víscera para ilustrar essa suavidade ou fina camada sobre a qual os acontecimentos se sucedem em suas obras bidimensionais. É como se estivéssemos furando com nossos olhos as diversas e delicadas sobreposições que guardam as histórias contidas nessas obras. Ao criá-las sob um estado de falta de densidade no qual os elementos parecem flanar sem gravidade pelo papel, vislumbramos uma condição de epiderme ou... víscera. Finas camadas de uma trama que se constrói a partir de várias imagens ou campos. Eis as vísceras. Por outro lado, a carne desse mesmo corpo se faz presente nas esculturas. Formadas por ossos e, ocasionalmente, com a adição de madeira, penas ou pedras, essas obras remetem a um estado arcaico. Ficam no limite entre o que é natureza e o que é cultura. Podem parecer abjetas à primeira vista, mas, rapidamente, me recordam a questão moderna colocada por Brancusi: o belo está presente inclusive na representação metafórica do mundo a partir de elementos do inanimado, num jogo (novamente) entre natureza e cultura, sem qualquer perda de adensamento poético. Nesse sentido, é importante atentar para o fato de que as obras de Antonelli possuem um vínculo estreito e direto: uma depende da outra, eu diria, para o fechamento desse ciclo. Um entendimento de que a representação do corpo em sua obra se dá de forma fraturada, pois cada suporte evoca uma circunstância própria dessa ideia de corpo, mas, ao mesmo tempo, global, já que a união dessas unidades constrói uma rede completa e unívoca.

Gosto de pensar que esse conjunto de imagens deixa aparente um corpo e um imaginário amparados em contradições – em alguns casos, incompatibilidades. Não há uma tentativa frágil de maquiar o que é o mundo. Contudo, isso não significa, de forma alguma, que o trabalho evoque constantemente a tragédia ou a tristeza, pois o que ele é, efetivamente, é a própria circunstância da vida.

NETO, João Cabral de Melo. Miró. Organização de Valéria Lamego. Rio de Janeiro: Verso Brasil Editora, 2018, p. 16. Idem, p. 18-19.

Posted by Patricia Canetti at 10:32 AM