Página inicial

Arte em Circulação

 


janeiro 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

dezembro 12, 2018

Elas por Elas por Isabel Sanson Portella

Elas por Elas

ISABEL SANSON PORTELLA

I took a deep breath and listened to the old bray of my heart: I am, I am, I am.
Sylvia Plath

Elas por Elas, coletiva focada nas mulheres que construíram a história da Galeria Mercedes Viegas, reúne obras de 42 artistas que dialogam esteticamente entre si. Diferentes poéticas, temáticas e abordagens, dividindo o espaço da Galeria, é resposta concreta e positiva às indagações e críticas que as relações entre arte e gênero vêm sendo construídas ao longo de décadas. A participação feminina na história da arte passou a ser reconhecida a partir do modernismo. O espaço artístico, cultural e social, antes ocupado exclusivamente por artistas homens, ganhou a presença, embora ainda tímida, das mulheres. Preconceitos sociais de gênero e ausência de oportunidades e reconhecimento criaram muitos obstáculos que mantiveram a mulher fora do cenário artístico mundial. A trajetória de conquistas femininas no decorrer dos últimos 100 anos foi marcada por lutas e crescentes vitórias. Trata-se de consistente indício do impacto que os estudos sobre gênero e arte causaram no ambiente tanto acadêmico quanto institucional. Várias questões têm sido levantadas desde então e as respostas obtidas levam a considerações sobre as causas da aparente inexistência das mulheres artistas na história. Tais lacunas nada têm a ver com a “ausência natural de talentos”, como pretendiam muitos estudiosos, mas sim com a exclusão feminina das instituições formadoras de carreiras artísticas – as academias de arte – ao longo dos séculos XVIII e XIX. Além disso, também contribuíram para o apagamento feminino nas artes a crítica, a imprensa, o mercado e os espaços expositivos.

A mostra Elas por Elas evidencia que no universo das artes não é o fator gênero que define os atributos artístico-estéticos das obras, mas sim o potencial criativo de quem as executa. Não existe “arte feminina”, modalidade classificatória a ser repudiada e que lança um olhar diferenciado e discriminatório sobre as obras.

As mulheres, todas importantes nomes do cenário artístico contemporâneo, no decorrer dos 25 anos de atividades da Galeria Mercedes Viegas, deixaram que suas obras falassem por elas. Com técnicas variadas (pinturas, objetos, fotos, bordados), cada uma é protagonista e usa sua própria linguagem artística com domínio perfeito e expressividade. Reivindicam a plena autonomia, sendo a questão de gênero superada por uma nova sensação de universalidade. O olhar do espectador poderá assim avaliar e entender a longa trajetória realizada pelas mulheres em direção a um lugar próprio na história da arte. A diversidade das obras irá certamente suscitar novas discussões e reflexões sobre arte na contemporaneidade.

Isabel Sanson Portella

Posted by Patricia Canetti at 10:02 AM