Página inicial

Arte em Circulação

 


setembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 27, 2018

Escadabstrata por José Damasceno

Sigo o curso dos meus sonhos, fazendo das imagens degraus para outras imagens.
Fernando Pessoa

La poésie est le réel absolu. Ceci est le noyau de ma philosophie. Plus une chose est poétique, plus elle est réelle.
Novalis

Ne pas avoir l’âme d’un exécutant. Trouver, pour chaque prise de vue, un nouveau sel à ce que j’avais imaginé. Invention (reinvention) immediate.
Robert Bresson

La mesa aparte de mí es dudosa, mi verla no; existe mi ver. Perdón, no solo la mesa real es distinta de mi verla, sino que la mesa vista es distinta de lo que en mi ver es mío; no se diga, pues, existe un sujeto que ve, sino además, un objeto visto. El ver pone no una existencia, sino una coexistencia.
Ortega y Gasset

Sempre me acompanhou, desde cedo, o sentido do explorador. Uma curiosidade renovada me anima, lá, onde continuamente se apresentam uma busca e um apetite por elucubrações, pistas, perguntas, dúvidas, evidências de uma ciência misteriosa. Essa pulsão me move e me intriga, a todo momento. Simultaneamente, desde os meus primeiros estudos até hoje, ao longo de processos múltiplos de aprendizado e realização, a ideia e a surpresa da descoberta convergiram e me levaram ao lugar onde me encontro neste momento. Gosto de caminhar, estou sempre andando e observando. Creio que os espaços percorridos, os caminhos, as estradas, as ruas são também de natureza mental. Sou um viajante entre mundos sensíveis e imaginários. O que busco? O que quero? O que minha vontade deseja? Talvez uma vida não baste para responder completamente tais perguntas, mas posso adiantar que também ao deambular e divagar por entre topografias fantasmáticas instalou-se ao longo do tempo, pouco a pouco, de forma essencial e “balizar”, um recurso imprescindível: a ideia de deslocamento; onde a gênese e a natureza do espaço se tornaram elementos indissociáveis do ato de pensar que nutre e guia meus interesses. Pensar é também produzir espaço. Eis o lugar em que cheguei.

Coordenadas e aparições. A investigação de uma espécie de escala microscópica do imaginário. Registros de uma representação inaudita talvez. Às vezes, ao tentarmos enxergar aquilo que está diante de nossos olhos, nos deparamos com uma perplexidade inquietante: ora, artes visuais… Dar relevo às especulações que busco iluminar produz perspectivas onde a natureza da visão é o substrato de configurações hipotéticas. Dados iniciais intuitivos promovem certos estados de consciência, oriundos da reunião de pontos de vista imersos no inconsciente. A orientação surge então de uma escuta; a poesia? Um guia: “o espírito da ação direta”. Tento contemplar aqui alguns ângulos presentes nessa aventura.

Escadabstrata. Uma palavra de encantamento? Talvez, mas certamente uma ideia-charada que traz consigo um possível estágio, nível, grau a se transpor e ascender. Uma vez pronunciada essa palavra, seu som, sua música, nos transporta a outro lugar acima e além, àquele de uma hipótese ainda por se revelar, imanente a seu passo. Uma vocação de transcendência. Uma escada ascese helicoidal. A forma da espiral é encontrada desde moluscos náutilos até galáxias longínquas em uma avassaladora sucessão de sequências e proporções áureas que geram correspondências vertiginosas entre ordens, formas e movimentos. A forma da espiral traduz o movimento ascensional a partir de um ponto inicial, etapas de um processo contínuo de desdobramento e de transformação. Uma escala intermediária se apresenta: miniatura gigante ou maquete multiescalar? Objeto-ideia.

O assombro diante da magnitude implacável de possibilidades e considerações em questão me fascina; o estudo do lugar, um campo aberto pela imaginação, me comove. O entrecruzamento de associações extraordinárias, sejam elas simples ou bizarras, tornou-se um espaço fértil onde se descobre na medida em que se inventa.

José Damasceno
Rio de Janeiro, 10/08/2018

Posted by Patricia Canetti at 1:20 PM