Página inicial

Arte em Circulação

 


fevereiro 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29          
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 9, 2016

Cristina Salgado - No interior do tempo por Marcelo Campos

Cristina Salgado busca formas no interior do tempo. Mesmo sabendo que o que se exteriorizará serão imagens difusas, nascidas da intensidade de caber em desconforto num corpo. Vive-se, nas obras da artista, uma duração, uma passagem em “conformação incerta”, já que a potência da visualidade atravessará, sempre, ameaças. Em No interior do tempo, a artista inicia a pesquisa na descoberta de uma atlas de anatomia. As formas e imagens do corpo são de tal ordem surreais que acabam por se parecerem aos desenhos da artista. Com isso, Cristina intensifica algumas lâminas, realçando alguns cortes em ossos, tecidos, músculos, ao mesmo tempo em que apaga outros tantos. Da nomenclatura científica, sobram “poemas visíveis”, como ela os denomina. Criam-se, então, poemas simbolistas, mallarmaicos, com palavras que se conscientizam e criam sentido no espaço ao redor. Os espaços aqui apresentados são intermediários. Das imagens anatômicas surgem órgãos inteiros e repetidos, olhos, bocas, narizes, cabelos.

Esta exposição, assim, trata de situações que se misturam entre visibilidade e sombra, formas e tempo, o exprimir e o silêncio. Tal mudez parte, antes de tudo, da perplexidade de o trabalho de Cristina Salgado se predispor a mímicas, “gestos que já são desenhos”, unindo-se quase como a escrita e a oralidade. Há sons? E esta pergunta se fundamenta quando constatamos que se houver sons estes habitariam, também, o interior do tempo, o ultrassom. A paisagem não será ouvida. Nada se assemelhará à evocação das tormentas ou da calmaria.

O que a ciência procura exibir é o “não visto dos instantes perdidos”. Perdidos pela ignorância, mas, também pela passagem do tempo, pelo envelhecimento, pela mudança de estado. E, assim, o corpo vai perdendo as pontas, abandonando seus contornos regulares.

Há em toda a pesquisa aqui apresentada um ir e vir de referências, uma antiga metalúrgica, o mobiliário inexplicável, trabalhos de momentos distintos da carreira da artista. Sobretudo, vemos a escolha por certa aridez, o que, imediatamente, coloca as paisagens no lugar de miragens. Tal secura da matéria se condiciona a um tempo paradoxal, aquele indiscernível entre passado e futuro, onde as coisas parecem límpidas na sua clareza exprimível, mas ruínas na aparência de certa expiração. Tudo pode expirar. Ainda mais para uma sociedade vigilante “que marca horas iguais para todos”, desejando a captura dos instantes. A mesma sociedade que não percebe na onisciência, nos olhos que tudo vêem, uma confrontação com o tempo que passa.

Nos filmes de Cristina Salgado, a repetição da natureza - o mar batendo nas pedras ou em continuidade, sem gesto, sem horizonte - almeja a permanência, já que o desejo de movimento será, sempre, o desejo de inércia, “de ver chegar o que permanece”.

E assim, a artista lida com técnicas de anulação, justamente em imagens que parecem tudo revelar: os interiores, a nomenclatura epitelial, as divisões mais inalcançáveis. Estamos, então, diante de mobiliários sem conteúdos e de desenhos do corpo sem a proteção da pele. Aqui, a artista nos impõe um contato direto, onde a ergonomia, por exemplo, não foi contemplada. Como habitar cadeiras que parecem não prever a presença do corpo, já que se impõem estreitas, altas, rentes em demasia? Diante de tal cena, podemos concordar que “ser não é habitar”.

A isto, esta exposição se propõe, tratando o espaço como se fosse um depois, uma des-possessão. E, por isso, não haverá guardados, nada para cobrir as prateleiras. Antes de tudo, os dias e os sonhos serão a única possibilidade de separação dos mundos, não mais a posse de formas, mas, antes, a busca no interior do tempo.

Toda libertação do poder, como nos ensina Paul Virilio, será, sempre, formulada por técnicas de desaparição.

Marcelo Campos, 2015

Posted by Patricia Canetti at 11:30 AM